sábado, 18 de maio de 2013

Destino do plástico que não é corretamente descartado



Uma das principais questões relacionadas ao lixo doméstico reside no lugar onde ele vai parar quando sai das nossas casas. Na verdade, grande parte das pessoas não se importa com isso, já que ele vai para “algum lugar” que ninguém sabe onde é, que ninguém vê. E se ninguém vê o lixo, ele “deixa” de ser um problema.


Bem, o lixo está começando a aparecer e, o que antes não parecia ser um problema, chegou à superfície. Mais precisamente à superfície do mar. Um dos lugares mais problemáticos é o Giro do Pacífico Norte.
Em primeiro lugar, um giro oceânico é um termo utilizado por oceanógrafos para descrever grandes correntes marítimas rotativas, que estão diretamente relacionadas com o movimento dos ventos.
O Giro do Pacífico Norte tem se caracterizado pela grande quantidade de detritos plásticos originários da costa oeste dos EUA e da Ásia que formam o que é conhecido entre ambientalistas como plastic patch (remendo plástico, em tradução livre). Em outras palavras, é uma área do oceano com grande concentração de poluentes e que afeta não apenas o ecossistema da região, mas em última análise a vida e a saúde do próprio homem.
O lugar, como é mostrado no documentário “Garbage Island: An Ocean Full of Plastic”, é uma parte do oceano com grande concentração de todos tipos de plásticos, desde garrafas e embalagens, até microplásticos, que são partículas pequenas e extremamente tóxicas de plástico.


Danos à saúde
O grande problema é que o microplástico é tão abundante que acabou se tornando parte do ecossistema. Plânctons e pequenos crustáceos se alimentam deles, se intoxicam, e, consequentemente, fazem o mesmo ao serem comidos por pequenos peixes. O processo continua até atingir os seres humanos.
Outro problema é o fato de o microplástico absorver com facilidade outros tipos de poluentes que se encontram no mar, como pesticidas, metais pesados e outros poluentes orgânicos persistentes (POPs). Isso faz com que o nível de contaminação aumente e os danos à saúde sejam ainda maiores. Entre os problemas de saúde causados pelos POPs estão diversos tipos de disfunções hormonais, neurológicas, reprodutivas e neurológicas.
Como colaborar com a diminuição da poluição
De acordo com o NOAA, o giro do Pacífico Norte não é o único a enfrentar esse fenômeno. O mesmo acontece no Oceano Atlântico, no Giro Subtropical do Atlântico Norte, e por todo o mundo. Uma das explicações para o surgimento desse problema é a grande quantidade de plástico usada no nosso dia-a-dia, o que nos leva a refletir sobre nossos hábitos de consumo. Há de se reconhecer a importância deste material em nossa sociedade, conferindo conveniências e contribuindo para o desenvolvimento, mas igualmente cabe a reflexão sobre a parcimônia que devemos incorrer em seu uso.
Utilize menos e sempre recicle, não só o plástico, mas todo tipo de resíduo reciclável que tenha optado por consumir. Pressione as autoridades da sua região e contribua para o desenvolvimento da coleta seletiva. Se informe sobre a nova política de resíduos sólidos e, principalmente, se conscientize sobre o como suas atitudes estão contribuindo, ou não, para a poluição dos nossos oceanos.
Documentário






Texto retirado do site ecycle.com.br
Acesse aqui.